UNIDADES

Parceiros



26/06/2017

Mercado imobiliário crê em retomada de crédito com juro baixo

Embora a Caixa Econômica Federal tenha novamente suspendido os empréstimos para compra de imóveis pela linha pró-cotista, que utiliza recursos do Fundo de Garantia por Tempo de Serviço (FGTS), a Sociedade das Empresas Imobiliárias de Santa Cruz (Seisc) entende que não há motivo para preocupação. A expectativa é que, a exemplo do que já aconteceu outras vezes, a suspensão seja apenas temporária.

A decisão foi anunciada na noite de segunda-feira. No início de maio, as contratações também haviam sido interrompidas por falta de verba, mas acabaram retomadas em poucos dias após o Ministério das Cidades remanejar R$ 2,54 bilhões. Agora, segundo a Caixa, que é a principal concessionária de crédito habitacional do País, esses recursos já foram contratados.

Voltada a imóveis de até R$ 800 mil, a pró-cotista é a modalidade com taxa de juros mais baixa depois do Minha Casa, Minha Vida e responde, junto com a SBPE, por entre 30% e 40% do mercado local. No entanto, segundo a presidente da Seisc, Cátia Riesch, suspensões são relativamente comuns e tudo indica que as contratações serão novamente autorizadas após a virada do mês. “O pró-cotista é um financiamento de ocasião. Abre e fecha o tempo todo, então não há razão para pânico no mercado”, disse.

Ainda de acordo com ela, o fato de os recursos para a linha estarem se esgotando é um bom sinal. “Até onde sabemos, não há redução na margem, então isso é um indicativo de que as pessoas estão buscando crédito e o mercado está novamente movimentado”, avaliou.

Em comunicado, a Caixa informou que o orçamento para toda a carteira imobiliária este ano é de R$ 84 bilhões e que, destes, R$ 6 bilhões são para a linha pró-cotista. “Os recursos disponibilizados para a referida linha já foram utilizados”, afirma a nota. A instituição também alegou que “continua atuando em todas as suas outras linhas de crédito habitacional”.


TIRA-DÚVIDAS

1 Quem tem direito a acessar a linha pró-cotista?
Os requisitos são: ter pelo menos três anos de trabalho sob o regime do FGTS; possuir uma conta ativa do FGTS ou 10% do valor do imóvel em saldo de conta inativa; e não possuir imóvel na cidade onde reside ou trabalha.

2 Por que os empréstimos foram suspensos?
A Caixa Econômica Federal alega falta de recursos para bancar novos financiamentos.

3 Isso já havia acontecido antes?
Sim. No primeiro semestre do ano passado, por exemplo, os empréstimos foram restritos para imóveis de até R$ 225 mil por um período. A medida foi tomada porque houve uma grande demanda por saques do FGTS, diante da escalada do desemprego. No início de maio, também houve uma suspensão, mas durou apenas alguns dias.

4 Por que a linha pró-cotista é importante?
Junto ao Minha Casa, Minha Vida e ao SBPE, é uma das modalidades de crédito habitacional mais acessadas, principalmente por pessoas de classe média. Um dos atrativos é a taxa de juros baixa, que é de 8,65% ao ano.

5 Já tenho contrato de financiamento pela linha pró-cotista assinado. Muda alguma coisa?
Não. Se o financiamento já foi contratado, não deve haver problemas.

6 Dependo de um financiamento para fechar a compra de um imóvel. O que faço?
Uma das alternativas é negociar com o vendedor para esperar até que a Caixa volte a receber propostas para a pró-cotista, mas nem sempre isso é possível. Também existe a alternativa de buscar outra modalidade de financiamento. Para obter informações, pode-se acessar o site da Caixa (www.caixa.gov.br) ou procurar uma agência. Também é possíiacute;vel pedir ajuda a um corretor. 

 


Da Redação, original Gazeta Online.



« Voltar


Copyright © 2011 - 2013 - Cicalfer DESAFIO